O vento mudou: o Estado Novo e a inclusão dos festivais da canção televisivos em sua política de integração racial

Palavras-chave: Estado Novo, festivais da canção, integração racial

Resumo

O Estado Novo, regime autoritário que prevaleceu em Portugal durante 41 anos, foi chefiado por António de Oliveira Salazar, entre 1933 e 1968, e Marcello Caetano, entre 1969 e 1974. Este regime, de ideais fascistas, aparentemente diferia de seus congêneres em relação à política de integração racial aplicada a suas colônias do ultramar africano, alegando sempre objetivar uma unidade multirracial e plurirracial, na qual todos seriam portugueses, estando ou não na metrópole. Entretanto, em oposição aos discursos prenunciando uma relação harmoniosa entre os povos, as guerras coloniais se deram em decorrência da negação de liberdade às colônias, mesmo motivo pelo qual a imagem do negro africano foi utilizada midiaticamente, na tentativa de demonstrar unidade e integração entre os territórios e as raças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Fernando Saroba Monteiro, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutor em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, com período sanduíche na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, pelo Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias. Mestre em História do Império Português (e-learning) pela Universidade Nova de Lisboa. Especialista em Teorias da Comunicação e da Imagem pela Universidade Federal do Ceará. Licenciado em História pela Universidade de Pernambuco.

Referências

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO MARCELLO CAETANO (ANTT/AMC). Cx. 2, Cruzeiro de férias às colónias, Discursos, n. 2, 1923/1995.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO MARCELLO CAETANO (ANTT/AMC). Cx. 6, Exílio no Brasil, documentos políticos, n. 2 e n. 8, 1923/1995.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO MARCELLO CAETANO (ANTT/AMC). Cx. 10, Viagem ministerial à África, objectivos da viagem, n. 10, 1923/1995.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO MARCELLO CAETANO (ANTT/AMC). Cx. 12, Presidente do Conselho, ultramar, relatórios, n. 2, 1923/1995.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO OLIVEIRA SALAZAR (ANTT/AOS). CO/PC-15, 1908/1974.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO OLIVEIRA SALAZAR (ANTT/AOS). CO/PC-67, 1908/1974.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO OLIVEIRA SALAZAR (ANTT/AOS). CO/PC-76B, 1908/1974.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO/ARQUIVO OLIVEIRA SALAZAR (ANTT/AOS). CO/UL-38A, 1908/1974.

A VISITA triunfal de Marcello Caetano à Guiné, Angola e Moçambique, O Século Ilustrado, Lisboa, n. 1634, p. 29-40, 26 abr. 1969.

AZEVEDO, Cândido de. A censura de Salazar e Marcello Caetano: imprensa, teatro, cinema, televisão, radiodifusão, livro. Lisboa: Caminho, 1999.

BOXER, Charles. Relações raciais no Império Colonial Português – 1415-1825. Porto: Afrontamento, 1977.

CÁDIMA, Francisco Rui. Salazar, Caetano e a televisão portuguesa. Lisboa: Presença, 1996.

CALLIXTO, João Carlos; MANGORRINHA, Jorge. Portugal 12 pts: Festival da Canção. Lisboa: Âncora, 2018.

CASTELO, Cláudia. A mensagem luso-tropical do colonialismo português tardio: o papel da propaganda e da censura. In: MARTINS, Moisés de Lemos. Lusofonia e interculturalidade: promessa e travessia. Ribeirão, Portugal: Húmus, 2015. p. 451-470.

D’ESPINEY, Rui. A geração de 60 em Portugal, Sociologia: Problemas e Práticas, Lisboa, n. 8, p. 113-127, 1990.

FIGUEIREDO, Fábio Baqueiro. Entre raças, tribos e nações: os intelectuais do Centro de Estudos Angolanos, 1960-1980. 2012. 439 p. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos). Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2012.

FUI AO PRÉMIO da canção “Giro-Flé-Flé-Flá”, Flama, Lisboa, p. 22-23, 3 mar. 1967. Disponível em: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/EFEMERIDES/FESTIVAL/Imagens/1967_Flama_03Mar1967_p022-023.pdf. Acesso em: 24 set. 2020.

GAMBACCINI, Paul et al. The complete Eurovision Song Contest Companion. London: Pavilion Books, 1998.

MONTEIRO, José Fernando Saroba. Conferência integrada à exposição “O Ano de 1969”, com participação de Simone de Oliveira, Nuno Nazareth Fernandes e mediação de Jorge Mangorrinha e Sofia Vieira Lopes. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 28 maio 2019. 3 vídeos (33min10seg; 33min10seg; 22min02seg), son., color.

NEVES, Mauro. O fracasso português: por que Portugal nunca conseguiu vencer o Eurovisão?, Bulletin of the Faculty of Foreign Studies, Sophia University, Tóquio, n. 46, p. 91-128, 2011.

O’CONNOR, John Kennedy. The Eurovision Song Contest: the official history. London: Carlton Books, 2010.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2009.

TOSH, John. A busca da história: objetivos, métodos e as tendências no estudo da história moderna. Petrópolis: Vozes, 2011.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Monteiro, J. F. S. (2020). O vento mudou: o Estado Novo e a inclusão dos festivais da canção televisivos em sua política de integração racial. Convergência Lusíada, 31(43), 67-77. https://doi.org/10.37508/rcl.2020.n43a382